Presas de Westgate – Parte 8

(Leia a Parte 7)

Personagens:
Salantis Delvendor
(Cleric / Morning Lord – Humano) – Fábio


Glimwick Hodgefoodle
(Rogue / Artificer – Gnomo) – Robert

Lucien Petrus
(Wizard Evoker – Humano) – Tárik


H’aer Al’delain

(Fighter – Humano) – Cássio

Mestre de Jogo: Raphael


Eldreth Veluuthra

Antes de clarear totalmente, Glimwick acordou com a movimentação, ouviu uma conversa de Saevel com seus subordinados, fingiu estar dormindo e ouviu o elfo falando que os forasteiros já devem estar “paralisados” — Glimwick rápido tentou acordar H’aer, mas ele estava com olhos abertos e imóveis, o gnomo não conseguiu fazer nada por eles, então se escondeu na mata e ficou observando o que iria acontecer.

acampamento

Quando os elfos retornaram e viram que o gnomo fugiu, fizeram uma busca pelo gnomo, mas Glimwick conseguiu esconder seus rastros verdadeiros e deu uma pista falsa, como se tivesse fugido pelo mesmo caminho que chegaram.

Saevel não se importou com o gnomo, então todos no foram amarrados pelas costas e levados por uma trilha, com Glimwick seguindo à distância. O efeito da droga paralisante passou no caminho, H’aer, Salantis e Lucien estavam desarmados, tentando lutar contra a traição do elfo, mas não tinham chances, tiveram que esperar para saber.

No caminho Saevel se revelou líder do Eldreth Veluuthra da região, uma organização pequena e fanática que caçam humanos e exterminam esses invasores em suas terras, Saevel culpa os humanos pelos anos que foi prisioneiro e tratado como um criminoso nas terras humanas, por isso procurou refúgio nestas terras, mas nunca perdoou os humanos. Disse que iria mostrar o que acontece com humanos invadindo sua floresta e Glimwick teve sorte de ser um gnomo, teve sua chance de fugir.


As Ruínas

Ruínas

Saevel os levou até uma clareira, onde tinham um círculo de pedras, me ruínas, deveria ter algum lugar sagrado há muitos séculos atrás, que estava localizado em uma cratera natural, cercado de pedras e árvores, só sendo possível descer com uma corda. Saevel amarrou H’aer, Salantis e Lucien nas imensas pedras do lugar — enquanto isso Glimwick já havia conseguido nocautear o elfo que estava com as armas de todos, vendo que estavam distraídos.

— Saevel “Nós do Eldreth Veluuthra estamos cansados de invasores em nossas terras, vou deixar vocês conhecerem um de nossos mais estimados caçadores…” Um dos elfos usa uma corneta de chifre que faz um som grave e trêmulo, parecido com um som gutural de um animal. Todos ficam em silêncio, amarrados as pedras tentam se levantar e forçar as cordas. Mas em pouco tempo vibrações são sentidas no chão e as árvores do lado leste se movem com violência, no meio da mata olhos negros surgem seguidos de uma cabeça como de uma pantera, só que com um tamanho gigante, ele derruba as árvores com facilidade revelando seis patas, uma mandíbula com muitos dentes e dois tentáculos com garras que golpeiam como se fossem chicotes, era um Displacer Beast líder pronto para dar o bote e saltar na cratera para o pânico dos prisioneiros abaixo!

Os elfos se recuam e se escondem na mata, quando Saevel recua da borda da cratera, é surpreendido por Glimwick, que acerta um golpe de espada na perda do elfo, fazendo-o perder o equilíbrio e com um empurrão do gnomo, Saevel tomba para dentro da cratera, rolando quase 30 metros abaixo ferindo ainda mais sua perna e ficando imóvel no lugar, com o Displacer Beast notando sua presença e tornando-se foco da fera. Glimwick joga uma corda com um gancho na árvore e se atira na cratera em direção a seus amigos, quando consegue correr até H’aer, a fera colossal salta da beirada com quase seus 3 metros de altura e 7 metros de comprimentos, caindo entre Saevel em pânico e o grupo.

O peso da fera ao atingir o chão treme toda estrutura fazendo os pilares gigantes de pedras desabarem e o chão sob seus pés se desfazer, fazendo uma abertura que engole a todos, inclusive a besta. Uma queda de alguns metros até atingir uma câmara subterrânea logo abaixo. Todos são jogados para dentro junto com rochas e terra, após se ficarem em pé, tiveram sorte de nenhuma pedra maciça os esmagar, ao contrário de Saevel, que está preso sobre as rochas e a imensa fera se recupera a tempo de atacar impiedosamente o indefeso elfo, só dando para ouvir seus gritos e o som de seus ossos sendo destroçados pela força das mordidas.

Os outros elfos do Eldreth Veluuthra fogem, vendo o que aconteceu — Glimwick joga a espada para H’aer, os escudo e a maça para o clérigo e liberta Lucien das cordas — a tempo da fera de terminar sua refeição e voltar sua atenção para as outras quatro presas nesta caverna. Aquela monstruosidade no momento que se prepara para atacar os quatro, sua imagens de torna borrada e uma cópia ilusória aparece ao seu lado, utilizando uma habilidade famosa dos Displacer Beast para enganar suas presas, ambas se movendo igual e impossível de distinguir qual é a verdadeira.

O grupo tenta se defender dos golpes violentos de seus tentáculos e suas investidas que arrebenta as paredes do lugar, Glimwick tenta distrair a atenção da fera enquanto Salantis e H’aer cuidam para descobrir qual era a ilusão e Lucien descarrega todos seus feitiços de destruição e escudos de energia para se proteger. Quando a besta é finalmente subjugada, Glimwick está inconsciente devido aos seus ferimentos, H’aer está coberto de sangue e uma de suas espadas foi quebrada pela força da fera, Salantis está tentando tratar os ferimentos quase fatais de Glimwick e Lucien está com seu ombro deslocado e preso debaixo de rochas.

Aos poucos o poder de Lathander conseguir curar os ferimentos mais graves e os aventureiros conseguem visualizar o estrago ao redor. Saevel desmembrado, um Displacer Beast gigante morto e olhando redor, eles estão em uma câmara subterrânea, o pouco de luz que penetra pelo teto desabado revela ser imensa cripta.

Tumba

Ao que parece este lugar foi lacrado, no salão estão estátuas de elfos muito antigas, cercados por um jardim em cinzas. Todas as estátuas rodavam a câmara, porém existia um trono no topo do salão e sentado no trono havia um esqueleto, ainda na mesma posição usando roupas em trapos, com elmo e armadura empoeirada e cercada por teias de aranha. Devia estar esquecido à séculos a tumba.

Glimwick subiu para fora da cratera para ter certeza que nenhum membro do Eltreth Veluuthra ainda permanece na área, tinham que ser rápidos para sair dali. Mas Salantis chamou a atenção de todos, quando achou uma inscrição na parede, dizia: Aqui jaz o grande Adarkar Reddansyr, o matador de dragões e responsável pelo banimento de Mourgrim, O Maléfico Dragão Vermelho de Gulthmere. Em sua morte ele trouxe paz e descansa no reino de Corellon Larethian”.

Estátuas

Continua na Parte 9
Anúncios
Esse post foi publicado em Forgotten Realms, Presas de Westgate e marcado , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Presas de Westgate – Parte 8

  1. Thiago Maciel disse:

    Estou gostando muito dessa estoria de Westgate, gostaria de ver a conclusão, você vai continuar?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s